5 alterações comuns no pós-parto

0
43


Após o parto, a mulher deve estar atenta a alguns sintomas que podem indicar doenças que devem ser identificadas e corretamente tratadas pelo médico para garantir sua saúde e bem-estar. Alguns sintomas que não devem ser ignorados são febre, perda de grande quantidade de sangue, corrimento com mau cheiro, febre e falta de ar.

Com o aparecimento de qualquer um destes sintomas, a mulher deve ir rapidamente ao hospital, para ser avaliada e tratada de forma adequada, pois estes sintomas podem indicar problemas graves, como retenção placentária, trombose ou embolia, por exemplo.

Sinais de Alerta no Pós-Parto

5 alterações comuns no pós-parto 

Indicamos aqui os sintomas e tratamentos de algumas das situações mais comuns após o parto. São elas:

1. Hemorragia pós-parto

A perda de grandes quantidades de sangue pela vagina normalmente acontece nas primeiras 24 horas após o nascimento do bebê, no entanto, esta alteração também pode acontecer até 12 semanas após o parto normal ou cesária devido ao descolamento abrupto de restos da placenta ou ruptura uterina. 

A hemorragia pós parto é caracterizada pela perda de muito sangue de forma repentina e pelo sangramento vaginal intenso, sendo necessário trocar o absorvente de hora em hora. Veja quando se preocupar com o sangramento pós parto.

O que fazer: Deve-se ir imediatamente para o médico, já que é preciso recorrer ao uso de remédios que promovem a contração uterina. O médico também poderá realizar uma massagem vigorosa no útero até que este se contraia completamente solucionando a hemorragia. Saiba mais sobre a hemorragia pós-parto.

2. Retenção placentária

Após qualquer tipo de parto, pequenos restos da placenta podem permanecer colados no útero causando infecção. Neste caso há proliferação de bactérias dentro do útero, sendo potencialmente grave, já que essas bactérias podem chegar à corrente sanguínea e causar septicemia, uma situação muito grave que coloca em risco a vida da mulher. Saiba como identificar e tratar os restos de placenta no útero.

A retenção placentária é caracterizada pela presença de corrimento com mau cheiro, febre acima de 38ºC e perda de sangue escuro e viscoso, mesmo após ele já estar mais claro e fluido.

O que fazer: O médico pode receitar remédios para contração uterina e uso de antibióticos, mas muitas vezes os restos placentários só são removidos através da curetagem uterina, um procedimento cirúrgico simples, que pode ser feito num consultório médico, mas que neste caso, normalmente é feito no hospital. Entenda o que é e como é feita a curetagem uterina.

3. Trombose venosa

O fato de ficar muitas horas deitada, ou em trabalho de parto, e devido a presença de pequenos êmbolos de sangue ou gases, pode haver a formação de trombos que impedem a passagem correta de sangue através dos vasos sanguíneos da perna. Se o trombo se deslocar, poderá chegar ao coração ou ao pulmão trazendo maiores complicações. A trombose é caracterizada pelo inchado de uma das pernas, dor na panturrilha, batimento cardíaco acelerado e falta de ar. Saiba como identificar a trombose.

O que fazer: O médico pode indicar o uso de remédios anticoagulantes para facilitar a passagem do sangue como a Varfarina e Heparina, por exemplo.

Sinais de Alerta no Pós-Parto

4. Embolia Pulmonar

A embolia pulmonar ocorre quando um êmbolo ou coágulo chega ao pulmão comprometendo sua irrigação. Com a diminuição da circulação sanguínea, este órgão fica comprometido e surgem sintomas de falta de ar, dificuldade respiratória, dor no peito, aumento da frequência cardíaca, pressão baixa e febre. Entenda o que é a embolia pulmonar.

O que fazer: O médico poderá receitar analgésicos e anticoagulantes para facilitar a passagem do sangue e uso de máscara de oxigênio e em alguns casos pode ser preciso recorrer à cirurgia. Veja como é feito o tratamento para embolia pulmonar.

5. Choque hipovolêmico

O choque hipovolêmico, também conhecido como choque hemorrágico, é uma consequência da hemorragia pós parto, já que essa condição acontece quando a mulher perde muito sangue, sendo o coração incapaz de bombear corretamente o sangue para todo o corpo.

Esse tipo de choque é caracterizado por palpitações, tontura, suor, fraqueza, dor de cabeça muito forte e persistente, falta de ar ou dificuldade para respirar, além de colocar a vida da mulher em risco. Saiba quais são os primeiros socorros para o choque hipovolêmico.

O que fazer: Requer a transfusão sanguínea para repor a quantidade de sangue necessária para manter a função de todos os órgãos e sistemas. Pode ser preciso mais de 1 transfusão, além do uso de suplementos de ferro por algumas semanas. Após o hemograma indicar a presença de hemoglobina e ferritina em valores normais, o tratamento pode ser encerrado.

Que médico procurar

O médico mais indicado para tratar as alterações após o parto ainda é o obstetra mas o mais importante é ir ao hospital assim que observar qualquer um destes sintomas, informando quando eles surgiram e a sua intensidade. O médico poderá solicitar exames como exame de sangue e ultrassom transvaginal, por exemplo, para identificar a causa e assim iniciar o tratamento.

A mulher deve levar um acompanhante e pode ser mais tranquilo deixar o bebê em casa com a babá ou com outra pessoa que possa cuidar dele até que ela possa voltar para casa para poder cuidar dele.

SHARE

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here