Acesso Venoso Central: tipos, complicações e quando é indicado

0
62


O cateterismo venoso central é um procedimento médico realizado para facilitar o tratamento de pacientes com necessidade de acesso seguro à circulação sanguínea, especialmente quando é indicado o uso do acesso venoso por longos períodos, para infusão de grandes volumes de líquidos na circulação sanguínea, para uma melhor monitorização hemodinâmica, assim como para a infusão de sangue ou nutrição parenteral, por exemplo.

O cateter venoso central tem um comprimento e uma largura maior do que os acessos periféricos comuns usados nas veias do braço, por exemplo, e são desenvolvidos para serem introduzidos em grandes veias do corpo, como a subclávia, localizada no tórax, a jugular, localizada no pescoço, ou a femoral, localizada na região inguinal.

Geralmente, este procedimento costuma ser indicado em ambientes de terapia intensiva (UTI) ou em situações de emergência, e deve ser feito seguindo uma técnica que necessita de material cirúrgico e equipamentos estéreis. Após ser colocado, é necessário ter cuidados de enfermagem para observar e prevenir complicações como infecções ou sangramentos.

Para que serve o Cateterismo Venoso Central e como é feito

Para que serve

As principais indicações para o acesso venoso central incluem:

  • Facilitar a manutenção de um acesso venoso por longos períodos, evitando a realização de múltiplas punções;
  • Infundir grandes quantidades de líquidos ou medicamentos, que não são suportados pelos acessos venosos periféricos comuns;
  • Administrar medicamentos que podem provocar irritação quando ocorre extravasamento a partir de um acesso venoso periférico, como vasopressores ou soluções hipertônicas de bicarbonato de sódio e cálcio;
  • Permitir uma monitorização hemodinâmica, como a medida da pressão venosa central e coleta de amostras de sangue;
  • Fazer hemodiálise, em situações de urgência ou quando ainda não se instalou a fístula arteriovenosa. Entenda como é feita a hemodiálise e quando está indicada;
  • Realizar transfusão de sangue ou de hemocomponentes;
  • Facilitar o tratamento de quimioterapia;
  • Permitir uma nutrição parenteral, quando não é possível a alimentação através do trato gastrointestinal.

A realização do acesso venoso central deve ter alguns cuidados para diminuir o risco de complicações. Assim, este procedimento não está indicado em casos de infecção ou deformidades do local a ser puncionado, alterações da coagulação do sangue ou quando existem graves riscos de sangramento.

Como é feito

Para a realização do cateterismo venoso central, é necessário posicionar o paciente que, geralmente, está deitado na maca. Em seguida, o médico irá identificar o local exato da punção, sendo feita a assepsia da região e da pele ao redor, eliminando focos de infecção. 

Além disso, o médico e a equipe devem ter feito uma cuidadosa lavagem de mãos e estar paramentados com equipamentos que diminuem risco de infecção como luvas estéreis, máscara, gorro, avental cirúrgico e campos estéreis.

A técnica mais utilizada para a realização do cateterismo venoso central chama-se técnica de Seldinger. Para realizá-la, além dos equipamentos de proteção, deve-se utilizar como materiais a bolsa e equipo de soro, anestésico, gaze estéril, bisturi e o kit de cateter central, que contém agulha, fio guia, dilatador e cateter intravenoso, além de agulha e fio para fixar o cateter na pele.

Equipamento cirúrgico

Equipamento cirúrgico

Introdução do cateter na veia

Introdução do cateter na veia

Atualmente, alguns médicos também optam por utilizar a ultrassonografia para guiar a inserção do cateter e diminuir o risco de complicações.

Também é importante lembrar que, por ser um procedimento invasivo, é necessário informar e obter o consentimento do paciente para a sua realização, exceto em caso de emergências ou risco iminente de morte, quando a comunicação não é possível.

Tipos de acesso venoso central

O cateterismo venoso central pode ser realizado de 3 formas, de acordo com a veia escolhida para ser puncionada:

  • Veia subclávia;
  • Veia jugular interna;
  • Veia femoral.

A escolha do tipo de acesso venoso é feita pelo médico de acordo com a experiência, a preferência e as características do paciente, sendo que todas técnicas são eficazes, e apresentam vantagens e desvantagens. Por exemplo, em pacientes que tiveram um trauma torácico ou em que se necessita a realização de uma reanimação cárdio-pulmonar, é mais indicada a punção da veia femoral, enquanto que os acessos pelas veias jugular ou subclávia têm menores chances de contaminação. 

Confira outros tipos de cateterismo que podem ser necessários. 

Possíveis complicações

O acesso venoso central pode provocar algumas complicações como sangramentos, hematomas, infecção, perfuração do pulmão, arritmia ou trombose venosa.

SHARE

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here