Caroço na vagina: 7 causas e o que fazer

0
160


O caroço na vagina, que também pode ser conhecido como um nódulo na vagina, é quase sempre resultado de uma inflamação das glândulas que ajudam a lubrificar o canal vaginal, conhecidas como glândulas de Bartholin e de Skene, e, por isso, geralmente não é sinal de um problema grave, já que essa inflamação passa sozinha.

Porém, se o caroço causar sintomas como coceira, queimação ou dor pode indicar outros problemas que precisam de tratamento médico, como varizes, herpes ou, até, câncer.

Dessa forma, sempre que surge uma alteração na região vaginal, que demora mais do que 1 semana para desaparecer ou causa muito desconforto, deve-se consultar o ginecologista para identificar a causa e iniciar o tratamento adequado.

O que pode ser caroço na vagina

1. Inflamação das glândulas da vulva

Na vulva existem vários tipos de glândulas que ajudam a manter a região lubrificada e com menos bactérias. Duas dessas glândulas são as glândulas de Bartholin, que quando inflamam dão origem a uma Bartholinite, e as glândulas de Skene.

Quando estas glândulas estão inflamadas, devido à presença de bactérias ou má higiene, por exemplo, pode surgir um nódulo na região externa da vagina que, embora não provoque dor, pode ser palpado pela mulher durante o banho ou sentido durante o contato íntimo.

  • O que fazer: na maior parte dos casos a inflamação destas glândulas desaparece após alguns dias mantendo a higiene adequada da região. No entanto, se o inchaço aumentar ou se surgir dor ou liberação de pus é aconselhado ir ao ginecologista, já que pode ser necessário iniciar o uso de anti-inflamatórios, antibióticos ou analgésicos, por exemplo. Entenda mais sobre o tratamento da inflamação das glândulas de Bartholin e das glândulas de Skene.

2. Pêlo encravado

Mulheres que fazem depilação íntima com cera, pinça ou lâmina têm um risco aumentado de desenvolver um pêlo encravado na região, o que pode dar origem a uma pequena espinha ou caroço avermelhado que dói. Normalmente, este tipo de caroço também apresenta uma região central esbranquiçada, devido ao acúmulo de pus debaixo da pele.

  • O que fazer: deve-se esperar que o pus seja reabsorvido pelo corpo e nunca se deve estourar a espinha, pois aumenta o risco de uma infecção. Para aliviar os sintomas pode-se aplicar uma compressa quente na região e evitar usar calcinhas apertadas. Caso a dor piore ou a região fique muito quente ou inchada, deve-se ir ao ginecologista para avaliar a necessidade de usar uma pomada antibiótica.
O que pode ser caroço na vagina

3. Cisto vaginal

Os cistos vaginais são pequenas bolsas de ar ou de líquido que podem se desenvolver nas paredes do canal vaginal e que, geralmente, são provocados por lesões durante o contato íntimo ou por acúmulo de líquidos nas glândulas, por exemplo. Geralmente, não causam sintomas mas podem ser sentidos como caroços ou nódulos no interior da vagina.

Um tipo muito comum de cisto vaginal é o cisto de Gartner que é mais comum depois da gravidez e que surge devido ao acúmulo de líquido dentro de um canal que se desenvolve durante a gestação. Esse canal normalmente desaparece no pós-parto, mas em algumas mulheres pode se manter e inflamar. Saiba mais sobre este tipo de cisto.

  • O que fazer: os cistos vaginais normalmente não precisam de um tratamento específico, sendo apenas recomendado vigiar o seu crescimento com exames de rotina no ginecologista.

4. Varizes na vulva

Embora sejam mais raras, as varizes também se podem desenvolver na região genital, especialmente após o parto ou com o envelhecimento natural. Nestes casos, o caroço pode apresentar uma coloração ligeiramente roxa e, apesar de não causar dor, pode provocar uma ligeira sensação de coceira, formigamento ou desconforto.

  • O que fazer: no caso da mulher grávida geralmente não é necessário tratamento, já que as varizes tendem a desaparecer depois do parto. Nos outros casos, caso esteja incomodando a mulher, o ginecologista pode aconselhar uma pequena cirurgia para fechar o vasinho e corrigir a variz. Veja as opções de tratamento para varizes na região pélvica.

5. Herpes genital

A herpes genital é uma doença sexualmente transmissível que pode ser adquirida através do contato íntimo oral, genital ou anal desprotegido. Outros sintomas incluem febre, dor nos genitais e sensação de coceira. Estes sintomas podem desaparecer e voltar a surgir mais tarde, especialmente quando o sistema imune está enfraquecido.

  • O que fazer: não existe um tratamento específico para o herpes genital, pois o vírus precisa ser combatido pelo sistema imune. No entanto, quando os sintomas são muito intensos, o ginecologista pode aconselhar o uso de um anti-viral, como Aciclovir ou Valaciclovir, por exemplo. Veja ainda que cuidados ter com o herpes genital.
O que pode ser caroço na vagina

6. Verrugas genitais

As verrugas genitais também são um tipo de doença sexualmente transmissível que pode passar pelo contato íntimo desprotegido. Nestes casos, além de pequenos caroços na vagina podem também surgir lesões visíveis semelhantes a couve flor, que podem causar coceira ou queimação.

  • O que fazer: não existe uma cura para verrugas genitais, porém o médico pode remover as verrugas através de algumas formas de tratamento como crioterapia, microcirurgia ou aplicação de ácido, por exemplo. Entenda melhor as várias formas de tratar as verrugas genitais.

7. Câncer

O câncer da vulva ou da vagina é muito raro, no entanto, o surgimento de qualquer alteração no corpo pode ser um sinal precoce de câncer, que deve ser avaliado pelo ginecologista. Nas mulheres com câncer podem ainda aparecer outros sintomas como alterações na cor da pele, feridas que não cicatrizam e sangramento anormal.

  • O que fazer: caso existe suspeita de câncer ou histórico de câncer ginecológico na família é aconselhado consultar o ginecologista para avaliar o nódulo vaginal e fazer o diagnóstico correto, iniciando o tratamento precoce, que tem melhores chances de cura. Veja melhor que sinais podem indicar câncer.
SHARE

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here