Punção lombar: como é feita esta técnica e quais os riscos


A punção lombar é um procedimento que consiste na recolha de uma amostra de líquido cefalorraquidiano, que banha o cérebro e a medula espinhal, através da inserção de uma agulha entre duas vértebras da região lombar.

Esta técnica é usada para diagnosticar infecções como meningite ou encefalite, ou doenças como esclerose múltipla ou hemorragia subaracnóidea por exemplo. Além disso, também pode ser usada para inserir medicamentos no líquido cefalorraquidiano, como quimioterápicos ou anestésicos.

O que é punção lombar e quais os efeitos colaterais

Para que serve

A punção lombar tem várias indicações:

  • Análise laboratorial do líquido cefalorraquidiano;
  • Medição da pressão do líquido cefalorraquidiano;
  • Descompressão medular;
  • Injecção de medicamentos como anestésicos, quimioterápicos;
  • Injecção de contraste ou substâncias radioativas para realizar radiografias.

A análise laboratorial destina-se à deteção da existência de infecções bacterianas, virais ou fúngicas como meningite, encefalite ou sífilis por exemplo, sangramento ou câncer no cérebro ou medula espinhal ou ao diagnóstico de certas condições inflamatórias do sistema nervoso, como esclerose múltipla ou síndrome de Guillain-Barre. Veja em que consiste esta síndrome.

Em que consiste esta técnica

Este procedimento não exige preparo prévio especial, a não ser que a pessoa que vai fazer a punção tenha algum problema de coagulação ou use algum medicamento que interfira com a técnica, como é o caso dos anticoagulantes.

A pessoa pode colocar-se em uma das duas posições, ou deitado de lado com os joelhos e a cabeça junto ao peito, chamada de posição fetal, ou sentado com a cabeça e a coluna fletidas para a frente e com os braços cruzados.

De seguida, o médico aplica uma solução antisséptica na região lombar e procura o espaço entre as vértebras L3 e L4 ou L4 e L5, podendo injetar neste local um medicamento anestésico. Depois é inserida lentamente e entre as vértebras uma fina agulha com cerca de 12 cm de comprimento, até atingir o espaço subaracnóideo, fazendo o líquido pingar da agulha, para depois ser recolhido num tubo de ensaio esterilizado.

Por fim, a agulha é retirada e é aplicado um penso no local da picada. Este procedimento dura geralmente cerca de 30 minutos, no entanto o médico pode não conseguir obter a amostra do líquido cefalorraquidiano logo quando insere a agulha, podendo ser necessário desviar a direção da agulha ou fazer novamente a picada em outra região.

O que é punção lombar e quais os efeitos colaterais

Possíveis efeitos colaterais

Este procedimento é geralmente seguro, não apresentando complicações ou riscos para a pessoa. O efeito adverso mais comum que pode ocorrer após uma punção lombar é dor de cabeça temporária devido à diminuição do líquido cefalorraquidiano nos tecidos adjacentes, podendo ocorrer também enjoos e vômitos que podem ser evitados se a pessoa ficar algum tempo deitada depois do exame.

Também pode ocorrer dor e desconforto na região lombar que podem ser atenuados com analgésicos receitados pelo médico, e embora seja raro, pode ocorrer também infecção ou hemorragia, que geralmente se devem a uma má execução da técnica.

Em casos raros de hipertensão intracraniana causada por uma massa cerebral, a punção lombar pode causar deslocação do cérebro, por isso este procedimento está contra-indicado nestes casos.

Contraindicações da punção lombar

Este método não deve ser usado em pessoas com alergia à lidocaína ou a outro medicamento anestésico ou que tenham distúrbios da coagulação sanguínea. Além disso, deve-se sempre informar o medico acerca da medicação que estejam a tomar, especialmente se a pessoa toma anticoagulantes como a varfarina ou o clopidogrel.

Resultados

As amostras de fluido cefalorraquidiano são enviadas para o laboratório para análise de vários parâmetros como a aparência, que é geralmente transparente e incolor e se apresentar uma coloração amarelada ou rosa ou com um aspeto turvo, pode indicar infecção, assim como a presença de microorganismos como bactérias, vírus ou fungos.

Além disso também são avaliadas as proteínas totais e quantidade de glóbulos brancos, que se forem elevados podem indicar infecção ou alguma condição inflamatória, a glicose, que se se encontrar baixa pode ser sinal de infecção ou outras doenças e a presença de células anormais pode indicar certos tipos de câncer.

Deixe uma resposta

Nome *
Email *
Site