Refluxo em bebê: sintomas e tratamento


O refluxo em bebês pode acontecer devido à imaturidade do trato gastrointestinal superior ou quando o bebê tem alguma dificuldade de digestão, intolerância ou alergia ao leite ou algum outro alimento da sua alimentação.

O refluxo em bebê recém-nascido não deve ser considerado uma situação preocupante quando a quantidade é pequena e acontece apenas após a mamada. Porém, quando o refluxo acontece várias vezes, em grande quantidade e muito tempo depois da mamada, pode comprometer o desenvolvimento do bebê e por isso deve ser avaliado pelo pediatra.

Refluxo em Bebê

Quais os sinais e sintomas

Os sintomas de refluxo em bebê, manifestam-se geralmente através das golfadas em pequenas quantidades após as mamadas e algum desconforto, o que pode acontecer em todos os bebês.

No entanto, esse refluxo pode ser exagerado, podendo fazer-se acompanhar por sintomas como:

  • Sono agitado;
  • Vômitos constantes;
  • Dificuldade para mamar;
  • Irritação e choro excessivo;
  • Rouquidão, pois a laringe inflama devido à acidez do estômago;
  • Dificuldade para ganhar peso;
  • Inflamações frequentes nos ouvidos.

Na presença destes sintomas, é importante levar o bebê ao pediatra ou gastroenterologista pediátrico para fazer o diagnóstico e orientar o tratamento.

Como é feito o tratamento

O ideal é prevenir o refluxo através de alguns cuidados, como evitar balançar o bebê, evitar vestir roupas que apertem a sua barriga ou escolher um boa posição durante as mamadas para que evitar a entrada de ar pela boca do bebê. Saiba como amamentar com sucesso.

Além disso, depois das mamadas é aconselhável colocar o bebê para arrotar, na posição vertical no colo do adulto por cerca de 30 minutos e depois deitar o bebê de lado e com a cabeceira do berço elevada cerca de 30 graus, colocando um calço de 10 cm ou um travesseiro anti-refluxo. Veja mais dicas de como cuidar do bebê com refluxo.

Normalmente, o refluxo em bebê desaparece a partir dos seis meses de idade, quando se começa a sentar e a comer alimentos sólidos, no entanto, caso isso não aconteça, após todos os cuidados, pode ser orientada a ingestão de remédios, como o Motilium ou Label, de acordo com a orientação do pediatra ou gastroenterologista ou cirurgia para corrigir a válvula que impede que o alimento volte do estômago para o esôfago.

Refluxo em Bebê

Alimentação para refluxo infantil

A alimentação para refluxo infantil deve ser idealmente o leite materno, mas se bebê toma leite artificial, adicionar farinha de cereal arroz ou milho pode reduzir o refluxo. O leite materno naturalmente produz menos refluxo, pois a digestão é mais fácil e assim o bebê só mama o que for necessário, evitando excessos.

Se o bebê toma leite artificial, pode ser necessário engrossar com farinha de arroz ou milho, o que ajuda o alimento a permanecer mais tempo no estômago, evitando o refluxo e, além disso, adiciona mais calorias ao leite, fazendo com que o bebê ganhe peso rapidamente. Além disso, também existem leites adaptados para bebés com refluxo, que já têm espessantes na composição.

A alimentação do bebê deve ser dada em pequenas quantidades e o máximo de vezes ao longo do dia para que o estômago não distenda tanto.

Em relação à alimentação da mãe que amamenta, devem ser evitados alimentos como gorduras, frituras, chocolate, sucos ácidos, café, refrigerante e iogurte, pois estes alimentos podem passar para o leite, dificultando a digestão do bebê.

Possíveis complicações

Uma das complicações mais comuns relacionadas ao refluxo nos bebês é a dor e desconforto do ácido gástrico em contato com a mucosa, que pode originar uma esofagite. Outra das complicações mais graves do refluxo pode ser a pneumonia por aspiração, que acontece quando o bebês “devolve” o leite que entra pela traqueia para o pulmão.

Quando o refluxo não é diagnosticado e tratado, a dor e o desconforto gerado podem fazer com que o bebê recuse a alimentação, o que pode comprometer seu desenvolvimento.

Como evitar o refluxo em bebês

Existem algumas formas de evitar o refluxo em bebês, como por exemplo:

  • Ao amamentar, apoiar o bebê nos braços, de forma que a barriga da mãe toque na barriga do bebê;
  • Nas mamadas, deixar as narinas do bebê livres para respirar;
  • Evitar que o bebê fique só sugando o mamilo;
  • Dar leite materno o máximo de meses possível;
  • Evitar dar grandes quantidade de leite de uma só vez;
  • Aumentar a frequência das mamadas;
  • Evitar balançar o bebê;
  • A mamadeira deve ser dada sempre elevada, com o bico preenchido pelo leite;

Se mesmo com estas medidas preventivas, continuar a ocorrer refluxo com frequência, deve-se levar o bebê ao pediatra ou gastroenterologista pediátrico para fazer o diagnóstico e orientar o tratamento.

Deixe uma resposta

Nome *
Email *
Site