Sistema respiratório: Como funciona e quais são seus órgãos


O principal objetivo da respiração é levar oxigênio para todas as células do corpo e retirar o gás carbônico que é o resultado do oxigênio já utilizado pelas células.

Para isso acontecer existe a inspiração, que é quando o ar entra nos pulmões, e a expiração, que é quando o ar sai dos pulmões, e apesar desse processo acontecer o tempo todo, existem muitos detalhes envolvidos. 

O que você precisa saber sobre o Sistema Respiratório

Anatomia do sistema respiratório 

De acordo com a anatomia, os órgãos responsáveis pela respiração nos seres humanos são:

  • Fossas nasais: Responsável por filtrar as partículas do ar, regular a temperatura em que o ar chega nos pulmões, e perceber odores e a presença de vírus ou bactérias. Ao perceber a presença destes micro-organismos o sistema de defesa do corpo ‘fecha’ as fossas nasais, causando o ‘nariz entupido’. 
  • Faringe, laringe e traqueia: Depois de passar pelas fossas nasais o ar é levado em direção à laringe, onde ficam as cordas vocais, e depois em direção à traqueia, que se divide em 2, até chegar aos pulmões: direito e esquerdo. A traqueia é um tubo que contém anéis cartilaginosos em toda sua estrutura, que atuam de forma protetora, impedindo que se feche quando a pessoa vira o pescoço de lado, por exemplo. 
  • Brônquios: Depois da traqueia o ar chega aos brônquios que são duas estruturas, semelhantes à uma árvore virada de cabeça para baixo, e por isso também é chamado de árvore brônquica. Os brônquios ainda se subdividem em áreas menores, que são os bronquíolos, que são repletos de cílios e que produzem muco (catarro) que serve para eliminar os micro-organismos. 
  • Alvéolos: A última estrutura do sistema respiratório são os alvéolos, que estão diretamente ligados aos vasos sanguíneos. Aqui o oxigênio passa para o sangue, onde poderá chegar à todas as células do corpo. Esse processo chama-se troca gasosa, porque além de levar o oxigênio para o sangue, ele retira o gás carbônico, presente no sangue. O sangue rico em oxigênio está presente nas artérias, enquanto que o sangue ‘sujo’, cheio de gás carbônico está presente nas veias. Ao expirar é eliminado todo gás carbônico do corpo. 

Para ajudar no movimento da respiração existem ainda os músculos respiratórios (intercostais) e o diafragma.

Anatomia do Sistema Respiratório

Anatomia do Sistema Respiratório

Como acontece a respiração 

A respiração acontece de forma inata, desde que o bebê nasce, sem ser preciso lembrar, porque ela é controlada pelo sistema nervoso autônomo. Para a respiração acontecer a pessoa inspira o ar atmosférico, que passa pelas fossas nasais, atravessa a faringe, laringe, traqueia, e ao chegar nos pulmões o ar passa ainda pelos brônquios, bronquíolo, até finalmente chegar aos alvéolos, onde o oxigênio passa diretamente para o sangue. Veja o que acontece:

  • Na inspiração: os músculos intercostais que ficam entre as costelas se contraem e o diafragma vai para baixo, aumentando o espaço para os pulmões se encherem de ar, e a pressão interna diminui; 
  • Na expiração: os músculos intercostais e diafragma relaxam e o diafragma sobe, o volume da caixa torácica diminui, a pressão interna aumenta, e o ar sai dos pulmões. 

A falta de ar acontece quando existe alguma alteração no sistema respiratório, que impede a entrada ou a saída do ar, e consequentemente as trocas gasosas ficam ineficientes, e o sangue passa a ter mais gás carbônico, do que oxigênio. 

Doenças que afetam o sistema respiratório 

Alguns exemplos de doenças do sistema respiratório são:

Gripe ou resfriado: acontece quando vírus entram no sistema respiratório. No resfriado o vírus está apenas nas fossas nasais e pode chegar até a faringe, causando congestão nasal e desconforto. No caso da gripe o vírus pode chegar aos pulmões havendo febre e muito catarro no peito. Saiba quais são e como tratar os sintomas da gripe

Asma: acontece em períodos em que a pessoa apresenta uma diminuição dos brônquios ou bronquíolos, havendo uma pequena produção de muco. o ar passa com mais dificuldade por estas estruturas e a pessoa emite um som agudo à cada inspiração.  

Bronquite: causa uma contração e inflamação dos brônquios e bronquíolos. O resultado dessa inflamação é a produção de muco, que pode ser expelido em forma de catarro, mas que também pode ser engolido ao chegar na faringe, sendo direcionado para o estômago. Confira os sintomas e tratamento da bronquite asmática 

Alergia: acontece quando o sistema imune da pessoa é muito reativo e entende que certas substâncias presentes no ar são muito prejudiciais à saúde, causando sinais de alerta sempre que a pessoa é exposta à poeira, perfumes ou pólen, por exemplo.

Pneumonia: normalmente é causada pela entrada de vírus ou bactérias, mas também pode acontecer devido a presença de objetos estranhos, restos de comida ou de vômito dentro dos pulmões, causando febre e dificuldade respiratória. Uma gripe pode piorar e causar pneumonia, mas o resfriado não tem essa possibilidade. Confira todos os sinais e sintomas da pneumonia 

Tuberculose: geralmente ocorre quando um bacilo entra nos pulmões pelas vias respiratórias, causando febre, tosse com muito catarro, e por vezes com sangue. Essa doença é muito contagiosa e passa pelo ar pelo contato com as secreções do indivíduo doente. O tratamento é de extrema importância porque o bacilo pode chegar ao sangue e se espalhar pelo corpo, causando tuberculose fora dos pulmões. 

Quando ir ao médico

Sempre que existem sintomas como dificuldade respiratória, chiado ao inspirar, febre, tosse com catarro com ou sem sangue é importante buscar ajuda médica para que este profissional possa avaliar a pessoa e identificar qual doença ela possui, e qual o tratamento mais indicado, porque pode ser preciso o uso de anti-inflamatórios, antibióticos, e por vezes, internamento hospitalar. 

Médico que trata de doenças respiratórias 

No caso de sintomas mais mais comuns como gripe ou resfriado pode-se marcar uma consulta com um clínico geral, especialmente se ainda não tiver comparecido a nenhuma consulta devido a queixas respiratórias. Esse médico pode auscultar os pulmões, verificar se há febre e observar outros sinais e sintomas característicos de doenças respiratórias. Mas no caso de doenças crônicas, como asma ou bronquite, pode ser indicado buscar ajuda de um médico especialista em pneumologia, porque ele está mais habituado a tratar pacientes com esse tipo de doença, tendo maior capacitação para orientar o tratamento e o seguimento por toda vida da pessoa. 

Deixe uma resposta

Nome *
Email *
Site